Clarim - Livro
Logo
Araxá / MG - , -
Clarim no WhatsApp (34) 98893-8381
Menu
Quadrilha explode agência bancária de Tapira
06/12/2017, às 10:51:15

Um bando de assaltantes aterrorizou quatro pequenas cidades mineiras, Tapira, Pompéu, Arcos e Santa Rita de Caldas, além do distrito Morro do Ferro no município Oliveira, durante a madrugada de terça-feira, 5. Em Tapira, o procurador do município, o advogado Wilson Costa e Silva, trabalhava no prédio da prefeitura situada próxima a agência bancária da cidade pertencente ao Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Bancoob-Sicoob), de onde assistiu a ação da quadrilha que amedrontou a população com muitos tiros e a forte explosão. “Agora à noite em Tapira, a cidade foi mais uma vez vítima de um grande assalto de meliantes, que com alto poder de fogo intimidou a população que por segurança ficou recolhida em suas casas e explodiram a única unidade bancária da cidade”, diz. “Ainda não sabemos o que aconteceu e, quanto foi o prejuízo, pois isto dependerá de avaliações futuras no rescaldo da investida, a ser efetivada com o correr dos dias, fato que deixará a cidade sem os serviços que comumente é usual”, completa.

Segundo ele, estavam trabalhando no prédio da Prefeitura de Tapira para adiantar expedientes jurídicos em decorrência de uma viagem que pretende fazer, quando o silêncio foi interrompido. “Por tiros fortes e intimidadores com o intuito de aterrorizar e, algum tempo depois, uma forte explosão que veio a destruir o interior da unidade da agência bancária da cidade. Como o prédio da prefeitura fica na esquina que dá acesso ao banco, os veículos dos meliantes circulavam e, como a sala da procuradoria fica defronte e se achava iluminada, foi alvejada com um tiro na direção da mesma que destruiu o blindex existente no contorno do prédio de onde achávamos o que levou-nos juntamente com o vigia a se refugiar no interior da edificação”, relata. Wilson conta que foram vários minutos de muitos tiros e gritos intimidadores e que cerca de trinta minutos depois os bandidos fugiram, acreditando ser em decorrência da intervenção policial.

“Uma das piores coisas que tem ocorrido no Brasil e, realmente tem fugido ao controle de nossas autoridades de segurança, são os terríveis assaltos às agências bancárias principalmente nas cidades de médio e pequeno porte. Os marginais vêm com um poder de fogo superior ao da nossa polícia, intimidam com inúmeros tiros e depois com explosivos, simplesmente destroem as agências bancárias das localidades onde atacam”, avalia o advogado. “As cidades que contam com uma única unidade bancária são as que mais padecem com esse tipo de crime, pois ficam sem serviços por vários dias, quando não por meses. E muitas vezes, sequer nem são restaurados, já que as diretorias de muitas instituições financeiras optam por cortar ou encerrar a atividade na localidade atingida, deixando grande parte da população sem qualquer serviço de acesso financeiro e ou bancário”, acrescenta.

Série de ataques - De acordo com informações do jornal O Tempo (BH), edição de quarta-feira, 6, houve quatro ataques a bancos em pequenas cidades de Minas Gerais na madrugada de terça-feira, 5, com ações criminosas simultâneas por volta das 2h e semelhantes, praticadas por bandos que usavam armamento pesado e explosivos. Em Pompéu, cidade de 30 mil habitantes situada na região central do Estado, houve duas mortes, a de um militar atingido com um tiro na cabeça e a de um vendedor de sanduíches que foi baleado ao passar pelo local do assalto, além de um policial ferido gravemente pelas balas que atingiram as suas costas e virilha. Em Morro do Ferro, distrito de Oliveira, também na região central mineira, quatorze bandidos explodiram um caixa e feriram um policial. Em Santa Rita de Caldas, Sul de Minas, cerca de 20 bandidos cercaram o único quartel da cidade e explodiram a agência bancária.

Clarim
Radix Comunicação e Tecnologia