Logo
Araxá / MG - , -
Clarim no WhatsApp (34) 98893-8381
Menu

Digite pelo menos 2 caracteres!
 
cbmm_a
980x150
Pequeno Jardineiro passa a funcionar no Parque do Cristo
31/10/2012, às 07:33:06

 

O programa Casa do Pequeno Jardineiro está funcionando no Parque do Cristo desde quinta-feira, 18. A solenidade de mudança da sede que funcionava numa área na av. Ecológica contou com a participação do prefeito Jeová Moreira da Costa, além dos 80 adolescentes e 20 colaboradores que participam do programa. O Pequeno Jardineiro é um programa social desenvolvido há nove anos pela Prefeitura de Araxá, que capacita os alunos para o trabalho em jardinagem, informa a coordenadora Márcia Alves Balieiro.

Para o prefeito, essa transferência agrega valor ao conjunto de mudanças positivas previstas para os setores social, ambiental e de turismo. “Nós estamos realinhando a próxima gestão e o nosso objetivo maior é construir pessoas e crescer juntos. Para isso é necessário muita disciplina, muita disposição e dedicação das pessoas em cada projeto. Esse é um projeto inovador, realmente muito interessante, voltado para a faixa etária de 14 até 17 anos e 11 meses.” Segundo ele, todo o programa está sendo direcionado agora para o Parque do Cristo porque o objetivo é transformá-lo na área mais verde mais nobre da cidade.

“Estamos agora construindo um parque ecológico, ao lado do Cristo, onde vai ter uma casa de chá, uma casa de doces e de chocolates. Isso vai passar a fazer com que aqui seja um produto turístico da nossa cidade. E todo esse patrimônio do Cristo terá vida, terá amor e terá toda a comunidade de Araxá frequentando esse ambiente ecologicamente correto”, explica o prefeito.

De acordo com a coordenadora, a jardinagem é uma coisa muito ampla e envolve todo o meio ambiente. “Então, a gente trabalha com jardinagem, mas junto desenvolve outras atividades relacionadas com o meio ambiente. Nós fazemos produção de mudas nativas e de arborização urbana, hortaliça e medicinais. Há uma variedade muito grande de plantio daquilo que a gente faz. A maioria do que nós produzimos fica no município com revitalização de áreas da prefeitura”, informa Márcia.

A coordenadora explica que para participar do programa o aluno tem que estar inserido na escola. “A gente trabalha com o tripé família, escola e Casa do Pequeno Jardineiro. Tudo para que a gente possa favorecer o adolescente a melhor oportunidade dentro do primeiro emprego. Ele tem que estar na escola e tem que ter 14 anos, porque a gente trabalha em cima do Estatuto da Criança e Adolescente”, informa. Márcia comenta que os resultados alcançados ao longo dos nove anos de existência do projeto são bastante positivos. “Um deles seria a continuação da capacitação dentro da área. Muitos ex-alunos, hoje fazem estudos superiores complementares à área, graças a Deus. Esse aí, é um dos saldos mais positivos. Outro saldo positivo é que cerca de 80% a 90% dos meninos saem empregados. Ou seja, eles saem com uma boa capacitação”, diz Márcia.

Ela está otimista com o novo espaço para o funcionamento do programa. “Agora a nossa expectativa é muito grande. A extensão da área é relativamente igual, mas eu acho que é a possibilidade de trazer para a cidade uma área nova, que precisa de cuidado e que possivelmente vai receber muitos turistas. Vamos cuidar da área do Cristo e a nossa área vai ser construída ao lado. A mudança vai ser positiva demais. A gente está com uma expectativa muito grande, principalmente porque lá (na av. Ecológica) a gente foi criando caminhos, aqui a área está sendo desenhada do jeitinho que a gente quer. Então, parece que o sonho fica ampliado”, comemora Márcia.

Pequenos Jardineiros
O programa que é desenvolvido nos turnos matutino e vespertino atende tanto alunos que estudam pela manhã ou à tarde. Inicialmente, era destinado apenas para adolescentes do sexo masculino, mas há dois anos está recebendo meninas. Os participantes recebem uniforme, Equipamento de proteção Individual (EPI), alimentação e uma bolsa de meio salário mínimo por mês.

 

 

 

Amanda Costa Lemos, 15 anos, cursa os 8º e 9º anos juntos e está desde abril participando do programa, onde se sente muito satisfeita. “É muito bom, porque a gente ajuda a natureza e o meio ambiente. Aprendi a importância das plantas medicinais. Não sabia plantar nada. Quero ser policial, mas aqui estou aprendendo muita coisa que me ajuda para o futuro profissional. Principalmente, porque aprendi a ter mais disciplina e paciência”, diz Amanda.

 

 

Cursando o 1º ano do ensino médio, Paulo Henrique de Lacerda está no projeto há 11 meses, mas já decidiu que quer fazer carreira de jardineiro. “Aprendi muita coisa, plantar e podar grama e isto é muito bom. O quanto eu puder ficar aqui, eu quero ficar. Quanto mais, melhor, eu quero ser jardineiro. Adoro deixar a cidade limpa, mais bonita, plantar flores e não deixar os matos altos”, comenta Paulo Henrique.

 

Compartilhar no WhatsApp
Clarim
Radix Tecnologia