Logo
Araxá / MG - , -
Clarim no WhatsApp (34) 98893-8381
Menu

Digite pelo menos 2 caracteres!
cbmm_banner
980x150
ESPECIAL - Turismo impulsionado por novela não afeta cultura pantaneira
17/06/2011, às 12:48:26

 

   As comitivas, o dia-a-dia nas fazendas de gado, os tuiuiús, e muito da cultura pantaneira exibida na novela Pantanal, que foi ao ar pela primeira vez em 1990, na extinta TV Manchete, influenciou a inserção do turismo ecológico no Pantanal Sul Matogrossense. De acordo com pesquisa realizada na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, muitas fazendas de pecuária extensiva da região passaram a funcionar também como pousadas. O ecoturismo tomou o lugar do turismo de pesca. Além de ser uma atividade lucrativa e geradora de empregos, principalmente para as famílias dos peões, o turismo ecológico foi implantado de um modo que não afetou os costumes nem a rotina do pantaneiro.
   Segundo José Fonseca da Rocha Filho, jornalista, autor da dissertação No ritmo das águas, na cadência das boiadas. A inserção do turismo nas fazendas de criação extensiva de gado bovino no Pantanal de Aquidauana/MS, antes da exibição da novela, com 70% das cenas gravadas fora dos estúdios, a visão que muitos tinham a respeito do Pantanal era bastante limitada; seria um lugar muito bonito, bioma rico, porém não acessível, e talvez não produtor de cultura própria.
   “A novela mostrou um pantanal diferente, que não era o do Globo Repórter, inatingível”, afirma Rocha Filho, apontando o papel que a novela, filmada no Pantanal do Rio Negro/Aquidauana, cumpriu de apresentar o lugar como ‘possível de visitar’, interessante, intrigante, diferente. Segundo a pesquisa, quando a novela é reprisada, a procura de turistas pela região aumenta.
   O estudo demonstrou que o turismo ecológico em Aquidauana é “tocado” pelos próprios fazendeiros e não por grandes empresas, como acontece em outras cidades do Pantanal. Aquidauana, município localizado no Estado do Mato Grosso do Sul, possui dois terços de seu território constituído por fauna e flora pantaneira.
   Segundo o pesquisador, esse fator é essencial para a manutenção da rotina da fazenda, que mantém seus costumes e crenças mesmo com a presença do turista. De acordo com o autor, isso parece colaborar diretamente para o fortalecimento da cultura pantaneira, que passa a ser “admirada de perto” por pessoas de fora. “O pantaneiro tem orgulho de ser pantaneiro. Ele não abre mão da cultura, ele gosta de mostrá-la”, disse Rocha Filho.
   
Nas “fazendas-pousada”
   Para as mulheres pantaneiras, o turismo abriu portas de emprego nas ‘fazendas-pousada’. As esposas dos peões, por exemplo, que antes trabalhavam nos afazeres das fazendas sem remuneração própria, atualmente têm emprego fixo, remunerado, com carteira assinada.
   Onde foi desenvolvido o estudo de Rocha Filho, Fazenda São José, constatou-se que, antes da chegada do ecoturismo, os quatro integrantes da família proprietária mais, no máximo, quatro peões, eram suficientes para atender a todas as necessidades da vida diária da propriedade. Depois da implantação da atividade turística, a fazenda passou a necessitar de 17 funcionários fixos, chegando a 25 nas épocas de pico.
   Além de servir como atividade lucrativa, o turismo opera no Pantanal Sul em função do resgate de costumes culturais.Um exemplo disso é o projeto Sapicuá Pantaneiro, criado em 2003 pela produtora cultural Cláudia Medeiros. A iniciativa tem como objetivo valorizar os elementos da cultura pantaneira atuando em fazendas e escolas como uma espécie de oficina itinerante. O projeto se propõe a ensinar jovens pantaneiros a confeccionar a tradicional “faixa paraguaia” ou objetos de couro e lã em uma semana.
   Os elementos da cultura são importantes e principais responsáveis pela busca dos turistas à região.  “Os turistas vêm sentir e viver os costumes locais, tocar a boiada junto com os peões”, diz o jornalista. Eles vêm para apreciar a fauna e a flora, mas para perceber os traços marcantes da rotina do pantaneiro. O tereré, tradicional chá da região, por exemplo, compõem esse conjunto de elementos essencias para caracterizar a cultura pantaneira. Ele é servido na guampa, recipiente feito com o chifre do boi, e é o “cartão de visita” do pantaneiro.
   Mais informações: (11) 72882278, email jotafon@gmail.com, com o pesquisador José Fonseca da Rocha Filho

Compartilhar no WhatsApp
Clarim
Radix Tecnologia