Notícias de Araxá e região!

Logo
Araxá / MG - , -
Clarim no WhatsApp (34) 98893-8381
Menu

Digite pelo menos 2 caracteres!
pma
cabmm
As clarinadas do Clarim
21/02/2014, às 07:07:37

 

A primeira edição do Clarim circulou em 15 de fevereiro de 1996 graças ao idealismo da juventude, época propícia para plantar os sonhos que serão colhidos na maturidade. O jornal também tem o seu tempo, enquanto empresa e veículo de comunicação social. Tanto que o Clarim nasceu apenas com o capital trabalho, literalmente pequeno em pretensão e tamanho, ofício de doze páginas em preto\branco que se traduzia numa miscelânea de notícias e negócios, de distribuição gratuita.

Além das dificuldades que toda empresa enfrenta nos cinco primeiros anos de abertura, um jornal também tem que superar outros desafios para crescer e se consolidar. O maior deles é preservar a credibilidade junto ao seu público, ser fiel ao leitor, respeitar a individualidade dele e municiá-lo de forma que possa distinguir a boa informação da opinião do veículo, dos articulistas e colunistas. A imparcialidade não é humana, cada um de nós está sempre fazendo as suas escolhas, por isto, o correto no exercício do jornalismo é agir com ética, não só seguindo as técnicas de redação e reportagem ensinadas no curso superior de Jornalismo, como também a consciência. Priorizar princípios como ouvir todos os lados de um fato se necessário, especialmente quando é polêmico, não distorcer a notícia, preservar a fonte, não julgar ao elaborar a informação e reservar a postura humana para os textos opinativos - como o editorial que apresenta a visão do veículo para o leitor de forma transparente marcando posição ou nos espaços para as colunas e artigos que expressam a opinião e são de responsabilidade de quem os escreve e assina. Agir assim verdadeiramente é o caminho mais difícil sobre todos os aspectos, mas é o certo. E a honradez é imprescindível para o Clarim, sendo o mais importante diferencial do veículo.

Em tese, são muito poucas as empresas que sobrevivem até os cinco primeiros anos, mas depois deste período estão mais perto da consolidação do que do fechamento. Para o Clarim, a questão administrativa também passa pela inovação, pela modernização, o acompanhamento das tendências da área, sair à frente ou pelo menos não perder-se no tempo. A velocidade tecnológica da comunicação tem sido assustadora e alucinante, ao mesmo tempo em que os veículos crescem em quantidade numa exacerbada e inconsequente competitividade, deixando a desejar na qualidade, no conteúdo e no trato com a informação. O que tem sido reforçado pela falta da exigência do diploma do curso de Jornalismo, pois o fundamento deste exercício não se aprende só com a experiência. Enquanto dão à imprensa o título de quarto poder, por outro lado procuram miná-la ao nivelá-la por baixo, ao permitir o seu acesso indiscriminado e descompromissado com o coletivo. De forma a transformá-la de instrumento democrático a uma arma para a manutenção de quem ocupa os poderes constituídos.

Ao completar cinco anos de existência, o Clarim passou a ser o primeiro jornal periodicamente standart e em cores de Araxá. Dois anos depois, tentou manter um dos primeiros sites de jornal da cidade com a criação do ClarimNet, iniciativa muito à frente para àquela época, início dos anos 2000. Aos dez anos, a preocupação com a existência da empresa era mais forte, como a necessidade premente de uma sede própria e, ao mesmo tempo, da composição de um capital de giro para assegurar o negócio. Inclusive, de uma forma que blindasse a essência do jornal, a sua credibilidade.

Aos quinze anos, a empresa assumiu maturidade suficiente para adaptar-se às crises, inclusive a gerada pela instabilidade da economia mundial. E também para correr riscos, pois em pleno universo online já passava da hora de resgatar o ClarimNet e, desta vez, como um outro jornal, mas de forma a completar o impresso como ocorria mundo afora. O sonho não era mais fazer do Clarim um jornal diário, porque nos países desenvolvidos já ocorria um novo fenômeno. Os jornais impressos passaram a ter uma tiragem mínima durante os dias úteis da semana, que se quadruplicava nos fins de semana. Houve o entendimento de que no decorrer da semana, diante do tempo cada dia mais escasso em função do trabalho, dos estudos e outras atividades, as pessoas buscavam as notícias mais imediatas e superficiais dos veículos online. No entanto, quando estão descansando, como nos fins de semana, elas preferem deixar o computador de lado e ler o jornal de papel, à moda antiga, aquele que lhe traz confiabilidade e que pode ser lido em qualquer lugar, como um livro. No exterior, as edições impressas que circulam nos fins de semana aprofundam a notícia, fazem análises e editoriais, têm mais foco e esmero com o que informam. Assim, o Clarim adotou um novo formato que é mais fácil de ler, o tabloide, e mudou editorialmente mais uma vez. Contudo, sem perder a identidade, com cuidado diante do hábito do leitor. E também deu outro passo adiante com o clarim.net.br que veio completar esse trabalho jornalístico e que aos três anos já comemora o crescente alcance.

O Clarim completa a maioridade, seus 18 anos, com a mesma perspectiva de acompanhar e contribuir com o desenvolvimento de Araxá e dando o respaldo necessário ao ClarimNet. Que continue sendo como disse o ex-prefeito Olavo Drummond quando o Clarim completou o primeiro ano de circulação: “As clarinadas do Clarim vão me ajudar a governar”.

Compartilhar no WhatsApp
Clarim
Radix Tecnologia