Notícias de Araxá e região!

Logo
Araxá / MG - , -
Clarim no WhatsApp (34) 98893-8381
Menu

Digite pelo menos 2 caracteres!
cbmm (1)
banner_pma
Wilton Borges bate-papo.com Germano Afonso
19/01/2015, às 09:12:38

 

 

O jornalista Germano Afonso atua diretamente na área esportiva e política e, em passado recente, também já trabalhou no jornalismo policial. De uma família de desportista, Germano já foi árbitro de nosso futebol amador e, por breve período, também esteve dentro das 4 linhas como atleta. Com uma carreira atuante em todas as áreas em que esteve demonstrando sempre muito profissionalismo e deixando sempre como sua principal marca a força de sua opinião forte sobre diversas situações, ele agora recebeu e aceitou o convite para ser o Assessor de Esportes Amadores e Rural. E é com Germano que daremos início a uma série de entrevistas com pessoas ligadas as diversas áreas esportivas e que atuam diretamente, ou indiretamente, com o esporte.

 

Wilton Borges: Estreando aqui esta nova seção na página de esportes do Clarim, o Bate-Papo.com, vamos entrevistar, nesta primeira edição, o jornalista Germano Afonso que está assumindo a recém criada Assessoria de Esporte Amador e Rural. Germano Afonso que é, além de flamenguista, um apaixonado com o Araxá Esporte. Então vamos para uma bate papo com ele aqui, mas primeiramente queria lhe dar os parabéns por este seu momento e saber de você quais são as suas expectativas para esta nova empreitada?

Germano Afonso: Um abraço pra você Wilton e um abraço para os leitores que nos lêem. Agradeço as suas palavras e explicando para o leitor que o prefeito Aracely de Paula na mini-reforma administrativa que ele realizou, extinguiu a Secretaria de Esportes e criou duas assessorias ligadas a esta área: a Assessoria de Esportes Especializados que ainda terá a nomeação do seu titular e a Assessoria de Esportes Amador e Rural a qual eu fui convidado pelo prefeito a assumir e aceitei. Esta assessoria é voltada a desenvolver ações em prol do nosso esporte amador e rural, ou seja: do futebol amador e suas diversas categorias junto aos diversos times que temos em nossa cidade e ao Ruralão que é uma competição ai já tradicional na nossa cidade. Desde que assumimos esta assessoria já estamos nos reunindo com presidentes dos times amadores de Araxá e também do Ruralão para que possamos fazer o levantamento das demandas que estes times têm. Porque todo mundo sabe que os campeonatos do nosso futebol amador e rural, eles acontecem graças ao apoio do Poder Público através do repasse que a municipalidade faz a Liga Araxaense de Desportos que é quem organiza estas competições. E o prefeito Aracely entende que é preciso também fazer ações em prol dos times. Em prol das equipes que são os artistas deste espetáculo do nosso futebol amador. Então estamos fazendo um levantamento destas demandas e tomando conhecimento das condições dos campos amadores de Araxá. Os que estão em atividades e aqueles que não estão em atividade momentaneamente como é o caso do Barretão no Bairro Boa Vista e o Chácara Dona Adélia no Bairro Novo Santo Antônio, para que possamos então fazer um plano de trabalho para desenvolver neste ano de 2015.

 

WB: Você citou ai o Barretão e é sempre bom lembrar de que é a única praça daquele setor. Nos acompanhávamos há algum tempo atrás um bom publico que se fazia presente nas partidas do Independente, das equipes do bairro como também a Vale. Sempre tinha muita torcida e está desativado há 10 anos.

GA: Exatamente Wilton. Inclusive eu conversei com o pessoal da Vale que é deste setor e eles diziam das dificuldades, porque eles não têm um local para mandar os seus jogos e ai mandam no Mangabeiras, seja no Campo do Santa Terezinha, do Gef, e são locais muito distantes lá da localidade e isto dificulta para que os jogadores se desloquem e claro a própria torcida e admiradores destes times do Bairro Boa Vista, Serra Morena, daquela região da cidade. Porque o pessoal não vai acordar domingo de manhã para atravessar a cidade. Se nós já tivéssemos ali o Barretão funcionando estas pessoas tranquilamente iriam se dirigir até este campo porque estariam próximos ali de suas residências. E é uma praça importante. Eu já participei de transmissão de vários jogos, quando no rádio estava, lá naquele campo e é um campo realmente que devemos estudar a situação dele com muito carinho para a sua possível reativação.

 

WB: Por outro lado o Dona Adélia também. É uma praça que ficou desativada nesta temporada de 2014 e que faz muita falta, apesar de ter ali no setor o Mangabeiras e o Campo do Vila, o Honorizio Pereira Veloso, mas o Dona Adélia é uma das três que tem iluminação hoje.

GA: Exatamente. Você lembrou muito bem. É um dos três campos na cidade que têm iluminação e é importante também a volta do campo do Chácara Dona Adélia e eu estive com o Paulinho e este campo vai ser reativado e o campo volta a ser utilizado agora em 2015. Claro que é preciso fazer alguns reparos naquela praça de esportes e já levantamos as demandas junto ao pessoal do Ferroviário para estarmos podendo, dentro da possibilidade, atendendo ao time amador. Você disse uma coisa importante Wilton que o campo do Dona Adélia é um dos três que tem iluminação. Para quem não sabe os outros dois são o Paraisão (Campo do Dínamo) e o Honorizio Pereira Velos (Campo do Vila). É importante estes três campos estarem funcionando com iluminação e também a reativação do Barretão como local para que as equipes mandem seus jogos do futebol amador para que a gente amplie as quantidades de campo e aos domingos a gente volte a ter jogos no Barretão, volte a ter jogos no Dona Adélia, e que estes campos que tem iluminação recebam jogos no decorrer da semana, na quarta-feira, para que a gente acabe com aquele horário das 11 horas da manhã aos domingo. É um horário realmente impraticável pro futebol. É um horário onde você... o começo do ano é o cartão de visitas do que vai ser 2015. De muito calor e agora imagina este pessoal do amador, que não são profissionais, eles jogam no fim de semana e no máximo treinam aos sábados. Tem times que ainda fazem alguma atividade durante a semana, mas são poucos e você sabe disto e este pessoal jogando às 11 horas da manhã, debaixo de sol, é realmente muito complicado. Pra gente mesmo estamos ai acompanhando o amador há vários anos, trabalhando na beirada do campo já é muito difícil este horário das 11 horas, imagina pros jogadores. Então esta reativação dos campos que estão fechados, esta questão dos campos iluminados, é muito importante para que a gente acabe com este horário das 11 horas e que neste horário o pessoal já estejam terminando o jogo para, ou ir pra casa almoçar com a família, tomar a cervejinha, fazer aquela resenha, emfim que a gente sabe que acontece ai no nosso futebol amador.

 

WB: Você é muito conhecido do jornalismo esportivo, policial e, sobretudo do político, mas o que grande parte do publico araxaense não sabe é que você também já atuou no futebol amador dentro de campo e também já foi árbitro. Alias vem de uma família de desportista né? Seu irmão, seus tios e seu pai...

GA: É Wilton, a família do meu pai, a família conhecida como a família do Antônio “Gordo” teve vários, é, tanto o meu pai como os meus tios, Pedro (o Pedrinho), o Antônio Sérgio, Tim, foram pessoas que foram atletas do Araxá Esporte. O meu irmão, como você disse, foi árbitro da Liga Araxaense de Desportos por alguns anos antes de se mudar aqui de Araxá. E eu também fui árbitro da Liga em 97, 98 e 99 e inclusive foi esta possibilidade de eu ter sido árbitro da Liga que me proporcionou o meu inicio na imprensa local. Eu comecei no rádio, depois de morar um tempo fora, em 2002 na Rádio Imbiara fazendo parte da Equipe Bola na Rede justamente como comentarista de arbitragem. Depois fui se repórter de campo, mudei de emissora e além de ser repórter esportivo, como você bem disse, fui repórter policial, político, porque a gente no interior, quem faz imprensa no interior, tem de bater o escanteio e correr para cabecear. Então você tem de atuar em todas e dentro de campo a minha carreira foi muito curta: eu fiz um jogo no Ruralão de 96 (risos). Eu era o goleiro reserva do Chácara Dona Adélia, o saudoso Paulista era o titular e ele não foi ao primeiro jogo e me lembro de que o jogo foi contra o Ribeirão do Inferno e nós vencemos por 4 x 0 aqui no campo do Vila, depois o Paulista foi a todos os jogos e não joguei mais nenhum (risos). Nós perdemos para Argenita na decisão do campeonato. Mas no Torneio Inicio eu, em uma disputa de pênaltis, defendi uma cobrança de penalidade do Jorginho e foi pra final do Torneio Inicio e inclusive a gente pode até pensar na possibilidade, relembrando isto aqui agora Wilton, a gente reeditar o Torneio Inicio que era bastante animada. Quem sabe não possamos fazer o Torneio Inicio do Ruralão em 2015. Então eu comecei no jornalismo esportivo, como você bem lembrou, e durante todos estes anos, mesmo conciliando com as outras atividades, sempre estive ai no jornalismo esportivo, seja no amador ou cobrindo o Araxá Esporte. Neste ano de 2015 estive no Portal Futebol Araxá gravando os melhores momentos das partidas do futebol amador, emfim: o futebol amador conhece a gente e a gente conhece o futebol amador.

 

WB: E neste primeiro contato com os presidentes dos clubes: como está sendo a aceitação e a troca de idéias neste primeiro momento?

GA: A receptividade esta sendo muito boa. Principalmente porque os presidentes e diretores têm mostrado que ficaram surpresos e tiveram uma surpresa positiva na criação desta assessoria que e voltada pro futebol amador, pro futebol rural. Porque eles reclamam de sempre terem sidos relegados a um segundo plano e agora eles se sentem prestigiados em saberem que tem uma assessoria não só pra ouvi-los, como pra desenvolver ações em prol deles. Então tem sido muito bom, eles têm apresentados demandas. Tem demandas que são comuns entres vários times, tem aqueles que têm demandas especificas e estamos fazendo um raio-x do futebol amador para que possamos elaborar um plano de trabalho para 2015. Tem sido muito bom o contato com estes presidentes e é bom salientar aqui que estamos ouvindo um por um individualmente. Além deles estivemos com o presidente da Liga, Wanderley Goulart, e também com Evaldo Juvenal, não só como presidente do Ferrocarril, mas também como presidente da Associação do Esporte Amador de Araxá, que foi criada pelos próprios times do futebol amador para conseguir pleitear melhorias para os clubes. Então estamos mantendo este contato por que estaremos trabalhando juntos a partir de agora.

 

WB: Isto ai mostra um avanço muito grande nesta área, né Germano, além da criação desta Associação do Esporte Amador, o prefeito Aracely conseguiu enxergar a importância do futebol amador em nossa cidade, que movimenta várias pessoas, o comércio ao longo do ano inteiro e isto é muito importante porque agora eles se sentem protegidos pela administração municipal.

GA: E o prefeito Aracely, Wilton, ele já jogou no futebol amador. Ele ao lado de Alberto Rodrigues, que hoje está na Rádio Itatiaia, foram fundadores do Cit que brilhou nas mãos do João e que hoje está na segunda divisão tentando se reerguer. Mas o prefeito Aracely, ele é do futebol, vamos dizer assim, jogou futebol amador, foi um grande incentivador do Araxá Esporte em seus mandatos anteriores e enxergou a importância. Porque além do futebol, tem aquele ditado né, ou seja, até aquele clichê: o futebol é vida. E é realmente. O futebol é importante na congregação das pessoas, é importante nas atividades físicas de todos os envolvidos, mas a gente de lembrar que tem pessoas que tem renda no futebol amador: o pipoqueiro, o vendedor de churrasco, de refrigerante, da cervejinha, os árbitros, mesários e até a própria imprensa especializada que cobre o amador também é uma forma que movimenta a nossa cidade. Então o futebol amador e rural são muito importantes e o prefeito Aracely teve esta visão de enxergar esta importância e criar esta assessoria.

 

WB: Aliás, com relação ao rural, o Ruralão, parece que o prefeito Aracely quer tentar retomar as origens da competição, voltar o Ruralão ao formato antigo.

GA: É. Ou o mais próximo possível disto né Wilton. Porque o Ruralão foi criado em 1990 onde nós tínhamos outra realidade. Já se passaram ai 24 anos e nós não temos tantas pessoas na zona rural. Infelizmente porque deveríamos ter ne? Mas esta questão da migração do homem do campo para a cidade foi intensificando nas últimas duas décadas. Mas é importante a gente se aproximar o mais próximo disto ou pelo menos definir que é ruralão e quem é futebol amador. Quem vai jogar ruralão e quem vai jogar futebol amador. Os times do ruralão, os primeiros que tive contato, questionam muito sobre esta questão de jogadores que está no amadorão e que vai jogar o ruralão, mesmo que acima de 35 anos. Como foi na última edição e isto é muito contestado. E a gente vai estar trabalhando ai para que realmente o futebol ruralão tenha seus próprios jogadores, e você sabe que mesmo naquela época tinha jogadores da cidade, mas que iam somar com o pessoal da zona rural. Os comandos destes times ainda são de pessoas ligadas a zona rural. Mas que façamos pelo menos que os jogadores do ruralão disputem apenas o ruralão e que não disputem o amadorão. Mas isto vai ser conversado e nada vai ser imposto. Por isto estamos conversando com todos para que a gente chegue a um denominador comum para ter um resultado que agrade a maioria e que tenhamos um ruralão cada vez mais forte, competitivo e atraente também.

 

WB: O Ruralão que sofre de um problema crescente, que não é ilegal, mas que muitos consideram imoral, que é o poder financeiro de algumas equipes que, no caso em cima destes jogadores que disputam o amador, que é aquela ajudinha por fora.

GA: Não só o Ruralão né Wilton. O Ruralão e o futebol amador, porque as equipes menores do futebol amador, a grande reclamação destas equipes é esta questão do pagamento dos jogadores. E é uma questão difícil de combater, porque não tem como estar acompanhando, impedindo ou até mesmo de provar que acontecem. É aquela história: todo mundo sabe que acontecem, mas ninguém prova que acontece. Mas todo mundo sabe que os times maiores pagam, ou dão agradam ou de alguma forma atraem estes jogadores. Isto não é só no Ruralão. É no futebol amador realmente. Muita gente relembra do futebol amador de antigamente em que as pessoas jogavam por amor pelo seu time do bairro. Hoje tem jogadores, bons jogadores do futebol amador, declarados torcedores de equipes de bairro, mas que não jogam lá porque estão ganhando alguma coisa nos times maiores. É uma questão complicada e de difícil combate. A reclamação é recorrente sim, tanto do Ruralão quanto do futebol amador pelo que estou ouvindo dos presidentes.

 

WB: Alias você citou ai o antigamente naquela época mágica do futebol amador onde os clubes realizavam aqueles bailes para eleição da rainha e princesa dos times, os jogadores se uniam para ajudar a comprar uniforme. Isto é uma coisa que dificilmente voltará né Germano?

GA: É. Os tempos são outros. E fica a magia como você disse deste tempo do nosso futebol amador onde existia toda esta paixão. Mas a paixão não morreu não, pois eu tenho recebido os presidentes e, principalmente os dos times menores, a paixão com que estes dirigentes, estes diretores, que às vezes até tiram de casa para manter os times, a gente vê que realmente é uma paixão muito grande, é uma importância muito grande e por isto o poder publico, por isto a administração do prefeito Aracely de Paula está ouvindo os presidentes para poder ajudá-los, ajudar os seus times e aliviar o lado deles porque tem times que às vezes tem uma diretoria de um homem só, que corre e faz tudo para aquele time e esta pessoa tem de ser ajudada sim.

 

WB: Germano, você que acompanha o futebol amador há tanto tempo, como você analisa o momento atual do nosso futebol amador e a arbitragem?

GA: O futebol amador de Araxá é um futebol amador competitivo, em que pese à gente tem visto nos últimos anos um afunilamento entre 5 ou 6 forças que são chamadas 6 times grandes, mas é um futebol que movimenta 27 times. Pelo menos é o que me foi passado na relação, no futebol amador, fora todos os times do futebol rural, em diversas categorias. Tem time do amador que tem categorias de base, o que é muito interessante do ponto de vista social também, pois dá uma ocupação para estas crianças, uma motivação esportiva para as crianças de nossa cidade. Quanto à questão da arbitragem: precisa de uma renovação. Até hoje tem árbitro de quando eu fui árbitro e o meu último ano de árbitro foi em 99. E temos ai árbitros que estão atuando até hoje. O Nivaldão, que agora anunciou a sua aposentadoria, o próprio Bozo e outros. Não que eles não sirvam mais para o amador. Não é isto. Só que tudo tem o seu tempo e a gente tem de renovar á através do próprio futebol amador. Como tem acontecido ai: a gente viu o Wesley Elias surgir na arbitragem. A gente viu o Edilson José, que é o Gordo, o Washington. Todos eles eram jogadores quando eu era árbitro. Hoje estão na arbitragem. Então tem de motivar aquele pessoal que estão parando, que não agüentam mais estar jogando, para que eles venham para a arbitragem, pois são conhecedores do nosso futebol amador, são conhecedores do futebol e podem sim qualificar a nossa arbitragem. Episódios como aconteceu com o árbitro Ronaldo Vicente depõe contra a arbitragem, mas ouve a punição que a Comissão Disciplinar Desportiva considerou ser a devida depois de tudo que foi apurado e julgado e que sirva de exemplo o que aconteceu com o Ronaldo para os demais membros da arbitragem.

 

WB: Germano, nós sempre defendemos de que o campeonato amador da primeira divisão está muito cheio de clubes, está inchado e eu acho que deveria haver uma redução e o número ideal, em minha opinião e de alguns colegas, seriam 12 clubes na primeira divisão o que deixaria a primeira divisão mais equiparada e também fortaleceria a segunda divisão que hoje conta com 9 clubes apenas.

GA: Eu sou da sua opinião. Inclusive expus isto pro presidente da Liga, Wanderley Goulart, de que a primeira divisão deveria ter 12 times. Mas você sabe que para esta formatação na Liga Araxaense funciona a questão da votação, tem de ser por maioria e tem de ser assim em uma democracia como a gente vive e às vezes alguns times não tem a percepção. Eu tenho feito esta pergunta, este tipo de comentário com os presidentes dos clubes e eu perguntei para um dos presidentes o que ele achava do Amadorão com 16 times e ele respondeu que achava pouco (risos), então só pra você como cada um tem uma visão sobre o assunto. Eu concordo que com 12 times nós teríamos uma primeira divisão mais qualificada, a gente teria uma... não a primeira divisão, que continuaria qualificada, mas a segunda divisão é que se qualificaria mais. A gente teria ai 12 times na primeira, 12 times na segunda disputando títulos. Porque a gente sabe que hoje tem times que não conseguiriam vencer a primeira divisão, mas que com certeza estariam disputando o título da segunda divisão. Como acontece aqui em Minas Gerais. O Araxá Esporte, por exemplo, a gente sabe que já foi campeão do Módulo II, mas ser campeão da primeira divisão vai ser muito difícil um dia né? Como foi o caso do Ipatinga. Acontece uma vez ou outra. Mas eu tenho conversado bastante, mas a gente tem de ter a conscientização. Quem sabe este é um projeto que a médio prazo a gente possa estar fazendo ai esta redução dos números de clubes na primeira divisão.

 

WB: Outra decisão que eu acho acertada do prefeito Aracely de Paula foi esta divisão de quem vai cuidar do futebol amador e rural e de que quem vai cuidar do esporte especializado. Eu acho que a criação desta Assessoria do Esporte Especializado muito acertada e o nome mais ventilado que eu vejo é o da Jane Porfírio. Tem alguma coisa já de concreta?

GA: Olha, eu não sou a pessoa indicada para responder esta pergunta. Realmente o prefeito Aracely de Paula já deve estar ai com quem ele ache que vá assumir com quem ele quer que assuma esta assessoria, mas os leitores podem ficar tranqüilos que assim como o prefeito conseguiu montar toda a sua equipe de trabalho, secretários municipais e assessores, cada um dentro de sua área especifica o Assessor de Esporte Especializado também vai ser uma pessoa da área, uma pessoa entendida do assunto. Porque o prefeito Aracely decidiu realmente que ia privilegiar a questão técnica, a questão do conhecimento da área especifica para apontar ai o seu time, para, já que estamos falando de esportes, para apontar o time que vai estar jogando ai nestes próximos dois anos ai da sua administração. Vai ser uma pessoa realmente, eu não sei quem vai ser, mas realmente eu não tenho dúvidas de que vai ser uma pessoa muito competente.

 

WB: Como estamos falando de esportes, não podemos deixar de falar do Araxá Esporte, ao qual todos nós somos torcedores apaixonados e eu queria saber se você neste contato com o prefeito, nas conversas de bastidores, se tem alguma coisa voltada para o Araxá Esporte. Se você tem o conhecimento de algum projeto que possa revelar. Os torcedores do Araxá estão todos aguardando de forma ansiosa por noticias com relação ao clube.

GA: É bom deixarmos claros pros leitores Wilton, que esta questão do Araxá Esporte esta sendo sim tratada pela Administração Municipal, em que pese não é obrigação do Poder Publico estar ajudando ou repassando qualquer tipo de verba pra time profissional. Só para o leitor ter uma idéia das duas maiores cidades próximas a nós, o Uberaba Sport, que no ano passado disputou a segunda divisão do campeonato Mineiro, não teve um centavo de ajuda do poder público. Mesmo o vice-presidente do clube, o Gustavo Piau, sendo filho do prefeito, o Paulo Piau. Já o Gilmar Machado, prefeito de Uberlândia, em uma entrevista dele que eu assisti na semana passada, afirmou que nem o Uberlândia e nem o CAP (Clube Atlético Portal) de Uberlândia, eles não terão um centavo de dinheiro público. Ele colocou a estrutura do Parque do Sábia, que vai manter a estrutura do Parque do Sábia, que é municipal, para que os dois times possam usá-los. Mas sem repasse da prefeitura. Aqui em Araxá nós temos um estádio que é municipal. Existe um comodato com o Araxá Esporte, mas ele é do município e esta manutenção é de responsabilidade do município. Já ouve um contato do presidente do clube, Dailsom Lettieri, com o Secretário de Serviços Urbanos, Marco Antonio Rios, para que se façam lá as adequações que precisam ser feitas para esta questão dos laudos que precisam estar em dia para que o Fausto Alvim seja usado no Campeonato Mineiro do Módulo II que começa agora no dia 15 de Fevereiro. Logo depois do Natal eu tive uma reunião com o presidente Dailsom Lettieri onde ele apresentou as demandas do Araxá Esporte e aquilo que ele julgava que a prefeitura deveria ajudar o time. Isto obviamente foi repassado ao prefeito Aracely de Paula e a gente tem conversado sobre isto e ele vai, dentro da legalidade, dentro daquilo que a lei permite, vai ajudar o Araxá Esporte, pois como eu já disse aqui na entrevista, o prefeito é um torcedor do Araxá Esporte. Nos seus mandatos anteriores ele ajudou muito o Araxá Esporte e na época dele o Araxá Esporte conseguiu formar grandes equipes aqui na cidade. Então dentro da legalidade, dentro daquilo que a lei permite, a prefeitura vai sim ser parceira do Araxá Esporte para que o Araxá Esporte possa ter ai um bom desempenho neste Campeonato Mineiro do Módulo II.

 

WB: Vamos encerrando agora esta primeira edição do Bate-Papo.Com o jornalista Germano Afonso desejando a ele ai muito sucesso nesta nova empreitada. Tenho certeza de que foi uma decisão acertada pelo prefeito, já devida a sua experiência no futebol, a sua capacidade, o seu profissionalismo que você sempre demonstrou em todas as áreas que atua e tenho certeza de que o futebol amador está muito bem com você ao lado deles.

GA: Obrigado Wilton por suas palavras e deixo aqui aos amantes do futebol amador, aos times do nosso futebol amador, aos leitores que estão sempre aqui no Clarim buscando as notícias relacionadas ao amador e ao rural, para buscar ai estarmos facilitando a vida destes dirigentes, para estar ai incentivando e desenvolvendo ações que vão fortalecer o nosso amador. O nosso amador é forte e ficará mais forte ainda a partir de agora nesta administração do prefeito Aracely de Paula. E quando eu digo amador eu digo também o nosso futebol rural. Araxá está completando 150 anos de emancipação política neste ano de 2015. Então estamos ai pra fazer o Amadorão do sesquicentenário, o próprio Ruralão do sesquicentenário. Ou seja: o nosso futebol amador também, o nosso futebol rural também, vão fazer parte das comemorações dos 150 anos de Araxá e eu estou sempre a disposição do Jornal Clarim para estar prestando os esclarecimentos necessários. Vamos então para um 2015 de muitos gols, de muitas vitórias e de muitas conquistas.

 

OBS.: Quando a entrevista foi realizada ainda não havia sido anunciado o nome de Jane Porfírio como a Assessora de Esporte Especializado. Estaremos realizando um Bate-Papo.Com Jane também sobre este novo desafio em sua vida.

Compartilhar no WhatsApp
Clarim
Radix Tecnologia