Página da vida

publicidade

   Indo e vindo, caminhando e margeando pelas veredas da existência, palmilhamos nosso destino na certeza e incerteza do nosso futuro.
   Sempre na espera do encontro com pessoas sinceras que possam atender nossas reivindicações. Trazendo-nos novamente o brilhar da esperança.
   Esperamos de nossos filhos que alcançaram a maturidade, uma responsabilidade maior, mas ele não ouviu nossas rogativas. Fazendo brotar o negativismo dentro de nós.
   Sustentávamos na companheira (o) de ideal e, de momento para outro, recolhemos mistura vinagrosa na ânfora da amizade em que sorvíamos água pura.
   A confiança e a fé que mantínhamos em quem nos davam esperanças e merecia nossa veneração e, um dia, desapareceu de nossos olhos, arrebatado por terríveis enganos.
   Todavia, embora a dor de perder, devemos continuar no trabalho com a consciência livre. Porque somos seres com razão diferentes no trato diário e na certeza que com esforço e perseverança, enfrentando todas as intempéries da vida, seremos vitoriosos.
   Mas não podemos e nem devemos parar nossos projetos por motivos do mal humor dos que nos cercam. Intoxicar com o veneno alheio não é boa pedida.
   Quase sempre, aqueles que tomamos por afetos mais doce, crendo abraçá-los por sustentáculos da luta, simbolizam tarefas que solicitam renúncia e apostolados a exigirem amor.
   Se nosso projeto é servir e compreender, então, é errado deixar que a indiferença ou a incompreensão paralise nosso ideal.
   Quando a decepções e dificuldade assomar em nossa frente, busquemos a solução com Jesus, Ele que caminhou rodeado por um grande número de pessoas, mas seguia no caminho sem a compreensão dos que o cercava.
   Ele que possuía incontáveis Espíritos angélicos, mas preferiu a contribuição dos pecadores que lhe serviam e que o abandonaram no instante do martírio.
   Ele que sempre cooperou com todos, mas não encontrou um sequer que lhe secassem as lágrimas.
   Ele mostrou-nos que todos aqueles que têm a vivência tranquila na vontade de Deus sabem perfeitamente extrair dos sofrimentos os melhores meios para alcançar a paz.
   Dever cumprido com tolerância e amor oferece o passaporte para viver tranquilo na presença de Deus.
   Paz a todos.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  O que faz você feliz?

Compartilhe essa Notícia

publicidade

publicidade